sexta-feira, 29 de junho de 2007

Amores Negados - Ángela Becerra

"Minha Amada,

Ouve, é a minha alma que te escreve. Este papel esconde a minha vergonha, mas também será ele que, finalmente, me revelará perante ti. (...)
Sempre tivera medo que desestabilizassem a minha tristeza, acreditava que nela estavam a minha paz e a minha segurança, por isso me conformei, contente, com o que a vida me entregou. (...)

Devo confessar-to. Continuo a ter medo. Mas este é um medo diferente. Fizeste-me ter consciência dos meus vazios; contigo, iniciei uma procura interior que não pára de ferver dentro de mim e para a qual não estou sequer certo de encontrar uma solução. Mas comecei a andar.
Garanto-te que a minha alma é melhor do que eu, porque a pressinto limpa e nova para ti.
Espero que não seja demasiado tarde. Nas minhas tantas noites de insónia, o céu ensinou-me que há um momento em que o muito tarde se pode tornar, para nós, em muito cedo. É apenas um instante que se apaga e acende numa suave centelha; quando a noite agoniza nos braços do primeiro raio de luz nascente. Espero que este seja esse momento.

Minha amada Estrella. Sou casado. Há dezoito anos decidi partilhar a minha vida com uma mulher maravilhosa que julguei amar com loucura. Os nossos dias foram-se congelando entre as neves do silêncio e hoje, com dor, verifiquei que sobrevivi ao frio da nossa relação aquecendo-me nos restos de gestos que restavam dos nossos primeiros anos. Contraí com ela um compromisso de amor eterno que hoje me deixa imobilizado em relação a ti porque, sabes?, nestes dias de reflexão profunda, dei-me conta de que quanto mais fiéis somos a nós próprios, mais infiéis podemos acabar por ser aos outros. (...)
Fui educado na fria contenção, na responsabilidade e no bom comportamento, embora à custa de sacrificar os meus sentimentos mais sensíveis, porque tens que saber, amada Estrella, que a sensibilidade não é uma qualidade que pertence apenas às mulheres. Hoje, confesso-te, não me envergonha verificar que sou um ser sensível. Durante toda a minha vida, os meus sentimentos mais íntimos estiveram a procurar vias de escape para esconder ou libertar as minhas dores e prantos. Graças a ti, nestes dias recuperei, ainda às escondidas, as minhas lágrimas.

Tive um pai que não descansou enquanto não julgou ter castrado a totalidade dos meus sentires, transformando-me num homem de bem - um verdadeiro orgulho para a sua masculinidade - fazendo-me um infeliz. Não o culpo; à sua maneira, pensava que me estava a dar o melhor que tinha. No funso, somos todos o produto das educações recebidas pelos nossos antepassados, e a mim coube-me como herança a contenção do meu sentir.
Durante anos, vivi seco; sedento de vida e seiva que, compreendo agora, só podem sorver-se sentindo a vida com plenitude, lutando por satisfazer os desejos. Isto, que parece simples, ignorava-o até que te conheci.
(...)

Deste-me asas e alegria; vontade de rir e chorar. Provocaste um renascimento que fez florir os meus dias vazios. Agora, quero aprender tantas coisas, só pata tas ensinar... analiso os pores do sol e as fases lunares. recolho as folhas caídas das árvores e observo a perfeição da sua estrutura. Descubro o voo das gaivotas e o canto dos estorninhos. Volto a contemplar o mar com olhos novos.

Tudo me parece fácil. Qualquer coisa que faça, por mais banal que seja, dá-me prazer. Entrei num estado de consciência surpreendente. (...) Se tivesse de me definir numa palavra, diria: efervescente. Sim, é assim que me sinto desde que te conheci.
Ajudaste a simplificar a minha alma. Tudo o que me deste fez o meu coração transbordar de prazer. Fizeste-me sentir uma fadiga de amor desconhecida. Devo parecer-te um homem estranho, dado que não procurei em ti o teu corpo, embora tenhas sentido bem a loucura que a tua presença provoca na minha pele. Existe tanta sensualidade em cada poro do teu ser, que me acorrentei ao teu corpo sem ainda me ter esvaziado nele.

(...) O meu coração e a minha razão não se pôem de acordo. (...) quando regresso ao quotidiano e à rotina dos meus dias, levantam-se como muros todos os meus impedimentos. Olho para a minha mulher e sei que ela não teve culpa das minhas frustrações, mas assim como contigo me sinto fluído, com ela ainda não posso abordar as minhas verdades. Sei que um dia esses muros acabarão por desmoronar. Só te peço tempo e fé, poderás dar-mos?

Minha amada criança. Nestes longos dias de espesso silêncio, os teus olhos guiaram-me com a sua luz, iluminando as minhas trevas. A tua sombra, colada ao meu corpo, acompanhou os meus suores. Não deixei de estar em ti um único instante. Penso que do mais dissonante silêncio pode brotar a música mais bela. Sinto que esta separação me fez tomar plena consciência do que pode ser querer ou amar. No querer há ânsias e desejos. No amar, apenas o desejo do bem à pessoa amada.

Agora já sei que, se não te tivesse, continuaria a amar-te. Porque o amor não pode ser posse. verifiquei-o ao ter-te sem te ter. Acima de tudo, quero que saibas que te amo, assim, sem mais nada. Mas, como simples mortal, também quero que saibas que te desejo com toda a minha alma.
Tiraste-me o medo de viver. Não sei o que nos espera, mas sinto que contigo vou começar de novo uma caminhada mais plena e intensa. Agora já sei que tenho uma alma. Tu revelaste-a perante os meus olhos; reconhecendo a tua, descobri a minha.
(...) Vem, aproxima-te mais para te tocar a alma. (...)

quarta-feira, 27 de junho de 2007

segunda-feira, 25 de junho de 2007

Amigos do Huambo

Mais uma vez se realizou nas Caldas da Rainha o Encontro dos Amigos do Huambo.
Fui pela segunda vez, estive com amigos e testemunhei in loco que, passados todos estes anos, continuam a dar-se encontros inesperados com pessoas das quais nada se sabia há muitos anos, alguns para cima de 40 anos sem se verem.
Sendo eu Kandengue, limito-me a apreciar a companhia dos meus amigos recentes e a rejubilar pela alegria deles e de tantos outros incógnitos para mim.
Pelo meio, ecos do que pela nossa terra se vai vivendo, dos progressos que existem já, depois de anos de estagnação e até visivél retrocesso patrocinado pela Guerra.
Faltou respirar o ar de lá ... porque a emoção esteve, como está sempre a cada encontro, à flor da pele.
Por hoje, remeto-me ao silêncio e respiro da recordação de mais um encontro fantástico, com algumas ausências, ainda que fisicas, pois no nosso coração vivem SEMPRE!
E um dia ... vamos todos lá, à nossa terra ...

sexta-feira, 22 de junho de 2007

Música da Terra

Certo e sabido que eu sou apreciadora de música e ponto final. De todas as gerações de todos os tipos desde que qualificada de "música". Sim, porque há certos "sons" que não passam de uma amálgama de notas musicais ao desbarato ...
Em tempos uma amigo me mandou muitas músicas da minha terra. Algumas delas ficaram-me no ouvido, tocaram-me de alguma forma e, de quando em vez, volto a escutá-las.
Pela proximidade recente com amigos que vivem na minha terra, o que faz com que a proximidade seja inequivocamente maior, hoje decidi deixar aqui uma dessas músicas ...

Apreciem, como eu ...




Get this widget | Share | Track details

sábado, 16 de junho de 2007

Varãoneando


O Mar está bravo e as Ondas se agigantam
O Vento é forte e a Chuva intensa caí
E gela e fere de morte o coração de quem
Embarcado num sonho de amor pelo mundo vai...

Perdido e à deriva no meio de um Mar revolto
Sentindo na pele a dor de um coração ferido
Buscando no Céu sem Estrelas uma Luz que o guie
Lembrando a voz serena de um grande AMIGO!

De um manto cinzento o Céu se veste
Sem qualquer esperança de um raio solar
que aqueça a alma de quem se sente sozinho
Para que de alguma forma possa continuar a sonhar

Que o Vento forte leve as Nuvens que aqui pairam
Permita Deus que o Céu de Estrelas se encha
Que a Chuva lave as dores de quem não sabe
Mas faz tanta falta, e a ausência, não há quem preencha

Mas se o Destino assim ditar e a Vida determinar
Que não há colete salva-vidas ou bóia de salvação
Deixem-me mesmo afundar, e no Mar me quedar
Pois sem ti, não faz mais sentido aqui ficar...

20070118

quinta-feira, 14 de junho de 2007

MIKA - Grace Kelly

O motivo deste Post:


  • o dia está triste e cinzento, chuvoso e ventoso;
  • A música está algo na moda e o Tomás adora!
  • A voz deste artista traz-me reminiscências de Freddy Mercury



    E agora, para não pensarmos que os arranjos fazem milagres vejamos assim:





    E esta hein!!?? Divirtam-se!!




Grace Kelly lyrics

quarta-feira, 13 de junho de 2007

Emoção ...

Foto por Baltazar 2006

Chego de mansinho e sento-me no Muro,
A minha presença passa despercebida aos presentes
Encosto-me à árvore e fico escutando
Tantas histórias, memórias de tantos ausentes
Cada pedra, cada canto … uma história
Pedaços de uma vida que já não existe,
Agora podemos certamente delinear o traço
E vencer a dor que ainda persiste.
Calculo … a ansiedade …
O palpitar de um turbilhão de sentimentos,
Baterias carregadas, na bagagem a emoção.
Para quem fica, como eu … pensamentos …
Desejo do fundo do coração …
Que este vosso “retorno” vos encha de alegria,
A realidade que se mistura com a lembrança
A consciência duma vida, sem volta … já vivida.

O buscar de explicações de reminiscências, do cheiro …
As lágrimas, saudáveis lágrimas sentidas …
Uma, peço-vos com humildade … seja minha …
Até um dia …

Para o S e A

TODA a FELICIDADE do MUNDO


[Mensagem escrita aquando da viagem de um casal amigo, pela primeira vez em 32 anos, a Angola]

segunda-feira, 11 de junho de 2007

Rivers ...


What am I thinking??

I'm thinking of the rivers that run free
Sometimes calm, sometimes rapidly
as life is like that as well ... like rivers,
there's a time that we must choose
Should we go this way?
Should we go that way?
Rivers have to choose too ...
And most of times, rivers will get to the sea ...
And me? Where do I go from here?
How can we be sure that we took the right decision?
We can't ...
Most likely, one way or another, our choices
will inevitably interfere with someone else's life ...
Do we have the right?
At this point I get to the conclusion:

I have the right to remain silent
Anything I say, could and will be used against me in court of ... LIFE ...

domingo, 10 de junho de 2007

Mais Rodrigo Leão ...

Get this widget Share Track details

Não tenho, ao momento, palavras que expressem o que sinto ao ouvir esta música ...

LINDA!!

Bom Domingo, Bom Feriado!!

quinta-feira, 7 de junho de 2007

Chopin - Tristesse

Quem consegue ficar indiferente, fechando os olhos e deixando-se levar ...

Genial!



quarta-feira, 6 de junho de 2007

Mais baú ...


Como o vento e a terra tudo há-de acabar

o que o meu coração não aguentar

esqueceu ou deixou de amar.

Como tudo tem um FIM a paixão morreu em mim

mas a imagem continua presente

Agora e para sempre.


Aquela imagem de encantar

porque uma amizade nunca acaba

com a possibilidade de amar

sim... amar


Mas de uma maneira diferente

já não quero mais chorar

mas levantar-me e seguir em frente

Enfrentar o amor, o amor e a saudade

porque amar não é só sofrer na minha idade.


Amor, amar, o que será na realidade

será alegria, será dor

ou será apenas saudade

saudade...saudade que ainda sinto

saudade que não vou esquecer

saudade que não evito e que levarei comigo até morrer...


Saudade e não só

alegria, respeito admiração

tudo o que sinto por alguém

bem dentro do meu coração

Mas quando percebi, já tarde

que em toda a confusão

eu perdi... eu sofri...e algo morreu dentro de mim

Sem lágrima... sem dor... mas com AMOR


Eu descobri, que depois do que vivi

eu não consegui ser... EU

Mas nunca há-de voltar

aquele dia solitário e viril

Duma linda tarde de Abril

em que à nossa volta existia apenas uma espera


Uma espera pelo dia teu... dia meu...

dia que o mundo esqueceu

porque tudo acabou e nada mais existe... sinceridade apenas

sinceridade que tarda mas não falha

como o ingénuo primeiro espinho de uma rosa

dentro de um coração pequeno

pequenino como o de um pássaro

que não sabe voar porque ninguém lhe ensinou

e ninguém consegue ver o coração que não suspirou

coração que se tornou de pedra

coração que não quer viver

coração que sofre pelo amor que ACABOU...



1991

segunda-feira, 4 de junho de 2007

Retirado do Baú ...




Já não há muito tempo ...

a vida vai-se-me ...

escorre como os grãos de areia de uma ampulheta,

por entre as mãos ... sinto-a ...

Ela aproxima-se ... deseja-me

Não há anjo que me valha

Ela é mais forte ... quer e PODE!

É dona da sorte, do destino, do fado

E eu estou cansada, não tenho mais forças

Sou e estou débil

O fio frio da navalha trespassa-me

Não luto ... sou fraca ...( ... )

Não ... não ... não morrerei!Não quero ... ainda não

Sou forte demais para morrer

Amo demais para me ir sem um adeus ...

Lutarei!Sim, afinal lutarei pela vida, pelo meu amor

Os anjos do céu vêm em meu socorro

por todas as almas que arderam no inferno

porque eu sou eterna ...Eu subsistirei

Apesar de morta ... viverei ...

(1993)


Posted by Picasa

domingo, 3 de junho de 2007

Porque Hoje é HOJE ...


... E porque Hoje o dia nasceu para ser diferente e me trazer uma Felicidade que, embora momentânea, não é traduzível em palavras escritas ou faladas!

Hoje o SOL brilhou no Céu mais forte que nunca e trouxe-me uma energia sem igual num momento em que as minhas reservas estavam mesmo a terminar ... como que se adivinhasse.

Renovo a minha Esperança, encho o meu coração de alento ... dou asas ao meu sentimento ... e sonho, continuo a sonhar e a acreditar ... Hoje, a lágrima que assoma não é de tristeza ... é de uma enorme Felicidade! São estes momentos que me fazem ter a certeza de que: Vale sempre a pena viver!

OBRIGADA pelo dia de HOJE!


sábado, 2 de junho de 2007

sexta-feira, 1 de junho de 2007

Quem dera ... fosse assim


Em 20 de Novembro de 1959, a ONU fez a Declaração dos Direitos da Criança, com 10 artigos:



1- A criança deve ter condições para se desenvolver física, mental, moral, espiritual e socialmente, com liberdade e dignidade.
2- A criança tem direito a um nome e uma
nacionalidade, desde o seu nascimento.
3- A criança tem direito à alimentação,
lazer, moradia e serviços médicos adequados.
4- A criança deve crescer amparada pelos pais e sob sua responsabilidade, num ambiente de afecto e de
segurança.
5- A criança prejudicada
física ou mentalmente deve receber tratamento, educação e cuidados especiais.
6- A criança tem direito a educação gratuita e obrigatória, ao menos nas etapas elementares.
7- A criança, em todas as circunstâncias, deve estar entre os primeiros a receber protecção e socorro.
8- A criança deve ser protegida contra toda forma de abandono e exploração. Não deverá trabalhar antes de uma idade adequada.
9- As crianças devem ser protegidas contra prática de
discriminação racial, religiosa, ou de qualquer índole.
10- A criança deve ser educada num espírito de compreensão, tolerância, amizade, fraternidade e
paz entre os povos.


Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


Posted by Picasa