domingo, 10 de agosto de 2008

Coração de ouro


(...) Ninguém tinha levado uma flor sequer para a minha professora D. Cecília Paim. Devia ser porque ela era feia. Se ela não tivesse uma pintinha no olho, não era tão feia. Mas era a única que dava um tostão pra mim pra comprar sonho recheado no doceiro de vez em quando, quando chegava o recreio.
Comecei a reparar nas outras aulas e todos os copos sobre a mesa tinham flores. Só o copo da minha continuava vazio.

(...)

A escola. A flor. A flor. A escola...

Tudo ia muito bem quando Godofredo entrou na minha aula. Pediu licença e foi falar com D. Cecília Paim. Só sei que ele apontou pra flor no copo. Depois saiu. Ela olhou para mim com tristeza.
Quando terminou a aula me chamou.
- Quero falar uma coisa com você, Zézé. Espere um pouco.
(...)

- Godofredo me contou uma coisa muito feia de você, Zézé. É verdade?
(...)
- Da flor? É sim, senhora.
- Como é que você faz?
- Levanto mais cedo e passo no jardim da casa do Serginho. Quando o portão está só encostado, eu entro depressa e roubo uma flor. Mas lá tem tanta que não faz falta.
- Sim. mas isso não é direito. Você não deve fazer mais isso.
(...)
Só assim que eu podia, professora. Lá em casa não tem jardim. Flor custa dinheiro... E eu não queria que a mesa da senhora ficasse sempre de copo vazio.
Ela engoliu em seco.
- De vez em quando a senhora não me dá dinheiro para comprar um sonho recheado, não dá?...
- Poderia lhe dar todos os dias. Mas você some...
- Eu não podia aceitar todos os dias...
- Porquê?
- Porque tem outros meninos pobres que também não trazem merenda.
Ela tirou o lenço da bolsa e passou disfarçadamente nos olhos.
- A senhora não vê a Corujinha?
-Quem é a Corujinha?
- Aquela pretinha do meu tamanho que a mãe enrola o cabelo dela em coquinhos e amarra com cordão.
-Sei, a Dorotília.
- É sim senhora. A Dorotília é mais pobre do que eu e as outras meninas não gostam de brincar com ela porque é pretinha e pobre demais. Eu divido o sonho que a senhora me dá com ela.
Dessa vez ela ficou com o lenço parado no nariz muito tempo.
- A senhora de vez em quando, em vez de dar para mim, podia dar para ela. A mãe dela lava roupa e tem onze filhos. Todos pequenos ainda. Dindinha, minha avó, todo o sábado dá um pouco de feijão e de arroz para ajudar eles. E eu divido meu sonho porque mamãe ensinou que a gente deve dividir a pobreza da gente com quem é ainda mais pobre.
As lágrimas estavam descendo.
- Eu não queria fazer a senhora chorar. Eu prometo que não roubo mais flores e vou ser cada vez mais um aluno aplicado.
- Não é isso Zézé. Venha cá.
Pegou as minhas mãos entre as dela.
- Você vai prometer uma coisa, porque você tem um coração maravilhoso, Zézé.
- Eu prometo, mas não quero enganar a senhora. Eu não tenho um coração maravilhoso. A senhora diz isso porque não me conhece em casa.
- Não tem importância. Pra mim você tem. de agora em diante não quero que você me traga mais flores. Só se você ganhar alguma, você promete?
- Prometo, sim senhora. E o copo? Vai ficar sempre vazio?
- Nunca esse copo vai ficar vazio. Quando eu olhar para ele vou sempre enxergar a flor mais linda do mundo. E vou pensar: quem me deu essa flor foi o meu melhor aluno. Está bem?
Agora ela ria. Soltou minhas mãos e falou com doçura.
- Agora pode ir, coração de ouro...


in O Meu Pé de Laranja Lima, José Mauro de Vasconcelos

Sonhos doces podem ser também o querer acreditar que esta doçura, ternura e pureza podem existir sempre... e eu sou uma sonhadora!!!


E para quem está com dificuldade em chorar para libertar muito do que vai dentro de si... um bom conselho, este livro... chora-se da primeira à última página e repete-se vezes sem conta ao longo dos anos...

... eu diria... é de ler e chorar por mais... tanto ou mais, só mesmo vendo o filme "O campeão" - Minha nossa!!

Eu também vejo SEMPRE a minha flor... ela está lá...

Posted by Picasa

8 comentários:

Seagul disse...

Vês, vês, Natacha - já me fizeste chorar!... É um chorar gostoso ...
MAS...
Eu sou generala!
Beijinho Pacanina.
Gina

Lusbelo disse...

Pois é Natacha, em alturas em que os sentimentos e as emoções andam à flor textos destes, mesmo já lidos e relidos, têm um efeito "desastroso"... ;-)

Beijos

Natacha disse...

Generala!! Sentido!! :D

Desde a_Mar ao seu Porto sentido... ;-))

Adoro este livro!!

Beijos aos dois!

lampejo disse...

Pois vês, e será sempre a flor dos teus olhos.
Amei o texto.

Seagul disse...

Natacha
Alguém disse que as pessoas sentem-se sós porque constroem muros em vez de pontes... que tal te sentiste como ponte entre um mar e seu porto?
Eu gostei muito!
Beijinho pacanino.
Gina

Natacha disse...

lampejo,

todo o livro é de amar!!

Seagul

Tudo o que possa fazer felizes duas pessoas que tanto gosto me faz sentir muito bem, saber que é recíproco... faz-me sentir melhor ainda.

Beijo generala! ;-)

Maria Augusta disse...

Que deliciosa companhia para este pequeno-almoço,enquanto saboreava um biscoito daquelas feitos a partir das receitas da minha mãe, e ainda que me apetecessem dos 'dela' daqueles guardados na latinha, onde adquiriam ainda mais perfumes e sabores nunca antes experimentados, deliciei-me.... , fechei os olhos e senti um gosto a sal nos meus lábios , mas não eram dos biscoitos, era o sabor da saudade de vós queridos amigos....beijinhos ternos

Augustinha

Natacha disse...

Augustinha,

As estrelas brilham no céu... é lindo olhar e vê-las...
As lágrimas lavam a alma... e nós estamos aqui e... SEMPRE JUNTOS!!

Carinhosamente, muitos beijos

mana pacanina